Enseñanza De Iniciación Psicoanálisis-Ocultismo

Tel/Fax: (54-11) 4784-4609 | e-mail: escuela@edipo.org
1998-2008 E.D.I.P.O. Todos los derechos reservados.
Términos y Condiciones | Director: José Luis Parise
Inicio » Publicaciones » Artículos

Para que Nuestra Kerida Enseñanza Llegue a Brasil y al Mundo de Habla Portuguesa Pronto, con Todo Mi Cariño...

Para que Nosso Kerido Ensinamento Chegue ao Brasil e ao Mundo de Fala Portuguesa Pronto, com Todo Meu Carinho...

José Ariel Bublik.

OS ONZE PASSOS DA MAGIA  *

O método da magia

Desde o Início da Historia, a Humanidade transmite um Legado que Ensina que é possível usar Forças Sutis que ajudam ao Homem na sua Vida. Este mesmo Legado inequivocamente sinalou também que uma profunda Transformação se produz em Quem toma o Caminho que conduz a alcanzar tais Forças. De fato, Quem empreende estes Passos recebeu os nomes de Herói, Chamã, Bruxo... e Mago.

O qué são as misteriosas Forças que o Mago (Herói, Chamã, Bruxo...) convoca? Por qué essas Forças Sutis as vezes se apresentam como o mais poderoso Aliado, más outras vezes como o mais amargo inimigo? É possível trabalhar com esses Fenômenos Invisíveis e Manifestos? Estas foram as Perguntas que há quase três décadas começaram Nossa Viagem. Uma Viagem que abranjería mais de Uma Centena de Viagens e que nos levou às chamadas ‘Culturas Iniciáticas’ do Planeta... a Encontrar-nos com aqueles que nem sequer tinhamos a certeza de que existiam. Aqueles que, desde literalmente sempre, são Marcados como os que Conhecem A Magia... e que atualmente recebem o nome genérico de ‘Os Guardiães da Sabedoría’.

Algo em comum une com Fíos de Ouro tudo aquilo que nas diferentes Culturas se apresenta como Magia. Como se um Ensinamento idéntico original houvese sido repartido como Paradigma Basal da Humanidade, naquilo que hoje vemos como diferentes culturas e religiðes...todas aprenderam a seguir um mesmo Mapa.

Um Mapa… que Conduz ao Mais Elevado, Poderoso e Sagrado do Ser Humano.

Um Mapa... que Trascende ao Ser Humano, Unificando-o com Suas Forças Divinas.

Um Mapa... de Onze Passos.

PASSO I

O CAOS DA IDÉIA

Definir a Coisa que está por trás da Imagem por meio da Palavra

EXPLICAÇÃO: De onde vem a Idéia?

Embora o que se obtém no caminho através dos Onze Passos é infinitamente superior a qualquer Resultado desejado anteriormente, utiliza-se o Método do Mago para, em princípio, alcançar algo definido. E qualquer tentativa, decisão, empresa ou realização que se deseja alcançar começa a partir de uma idéia.
Três elementos são agrupados nisso que comumente chamamos de Idéia: Uma coisa, Uma Imagem (ou Forma) e Uma Definição. A tendência, tão natural como automática ... e enganadora, é acreditar que a Coisa que queremos realizar por trás da imagem ou forma é clara, e que a Definição não mudará muito o que se obtenha, usemos as palavras que usemos para definir Isso.
Se vai tomar O Caminho cuja Rota impðe a exigência de ter que aprender a ordenar tudo isso que se apresenta na mente de acordo a Um Método... vai ter a Divina Oportunidade de estar Percorrendo o Caminho que, em todos os Mitos Biblicos e Ensinamentos milenários percorre “Isso” que chamamos Deus: um Caminho que da Ordem alí onde primeiro teve que descobrir e reconhecer que houve o Caos.

APLICAÇÃO:

É só questão de Ordenar o Caos do Universo para que A Magia do Cosmos comece. Mas como acontence com toda Ordem... se requer de um Método para atingí-la. Vamos pensar agora em qualquer questão que desejemos atingir em nossas vidas. Se pensamos numa namorada, ou numa familia, ou num bom trabalho ou saúde... é bastante fácil Imaginar a uma garota bonita, uma cena de pais e filhos em torno da fogueira, um lindo escritório numa companhía conosco dentro, ou ver-nos correndo pelo parque. Mas tudo isso... não é mais do que a Imagem, a Forma da Coisa. Se queremos avançar até a realização dessa Coisa no mundo, estaremos forçados a ir além da Imagem. E para Isso deveremos usar a linguagem, do jeito que seja preciso. Sem Definir o que queremos, isso jamais pasará de uma simples ideia, limitada tão só a existir em nossos pensamentos. E quando queremos ir além da ideia... vamos descobrir que um verdadeiro abismo se abre ao tentar atravesar a Imagem e Defini-lha colocando-a em Palavras que permitam à ideia se concretar como uma Coisa que habita e que tem seu lugar no mundo.

O que define à coisa em si mesma? O que define que essa garota seja a minha namorada? Em que consiste uma familia? Quando um trabalho é bom? Vamos ver então que, irremediavelmente, aquilo que era suposto como mais anedótico e menos importante... vai ser imperioso. A Palavra; pois precisamos Definir a Coisa por trás da imagem... É assim como funciona o Universo, em qualquer ordem.

Tudo se inicia com a Palavra, mesmo que tenha que ser dita através de gestos pelo meio e linguagem que for. Se vamos ver além disto, vamos ver que o mesmo Deus não está exceto deste Método para atingir o que Ele quer. Mesmo que tenha o Poder que tiver para que o Universo fosse até a Coisa que Ele desejou... Ele teve que dar Nome a isso que quería criar: “Haja Luz”, “Haja día” e “Haja toda Coisa que tinha idéia de ‘achar’ no Universo”.

PASSO II

A ORDEM DA PALAVRA

Ouvir em “Qué” consiste a realidade do que Dizemos no que Ordenamos, sem deixar-nos atrapalhar pela ideia do que ‘queremos dizer’

EXPLICAÇÃO: Que acontece quando falamos?

Todos os Ensinamentos de Magia do Oriente, Oriente Médio e Indígenas.... todos, ensinam um respeito para a Palavra, só comparavel com o Respeito ao Divino. A ideia da coisa é uma sombra, cuja Luz está na Lingua, no Verbo, na Palavra. Os pensamentos são a projeção da Palavra.

Quer dizer, concreta e surpreendetemente: desconhecemos os pensamentos que nos habitam até que os nomeamos. Significa... que se nomeamos algo diferente daquilo que nossa ideia suponha que iamos dizer, ‘isso’ nomeado é o que está realmente na mente tratando de se concretar no mundo.

As conseqüencias não poderão se demorar em se manifestar, pois descobrir que a palavra va numa direção diferente da idéia é descobrir que nossas forças tem-se dividido dramaticamente: enquanto com uma parte nossa tratamos de Criar algo, nossa mente está tratando de criar outra coisa, que bem pode ser diferente ou diretamente oposta aquela que queremos criar. Começamos a falar... e desde uma Ordem totalmente oculta (que no inicio aparenta puro Caos) aconetecem erros e esquecimentos que nada tem a ver com a imagem a qual se quer aludir.


APLICAÇÃO:

Buda é apresentado com imensas Orelhas  . O Chefe Inka era chamado “O Orelhão”. Lao Tse era conhecido como ‘Orelhas Grandes’. Por quê? Porque Escutar é isso que em todos os Ensimantos do Origem da Humanidade se estabelece como Limiar do Conhecimento Oculto. Escutar em ‘Qué’ consiste verdadeiramente o que dizemos no que Ordenamos, sem deixar-nos atrapalhar pela Ideia daquilo que  ‘queremos dizer’. Alguns exemplos:

“Vou procurar emprego”

Qué instrução estou dando para o Universo?: que ele vai ‘Ordenar’  todos meus dias para não encontrar um emprego... senão que, simplesmente, continue procurando por ele.

“Quero encontrar um bom marido”

A única Forma em que se pode cumprir minha Ordem é trazendo homens que estejam já casados, quer dizer: que sejam ‘maridos’; e para pior (segundo as instruçðes que Ordeno) que sejam ‘bons maridos’, e que portanto nunca iriam ver a outra mulher que não seja sua esposa. Quer dizer: Ordeno que o Universo me traga homens... que nunca me atenderíam.

“Quero que meu pai pare de me gritar”

Dou a Ordem para ao Universo que meu pai, todos os dias, me grite...., única Forma na qual poderá “parar de me gritar” no entanto não Ordeno que ‘não me grite” senão que ‘pare de fazê-lo’. Para o qual, primeiro, tem que fazê-lo.

“Quero Emagrecer”

Instrução que da a Ordem a meu corpo e a todo meu Universo a engordar continuamente..., requisito lógico, inevitável e obrigatório para “emagrecer”, o qual nada tem a ver com “quero estar magro”.

Assim como “Quero me curar” nada tem a ver com Querer ‘estar sadio’, e garantiza organizar um Universo onde se vive ficando doente... pois é o único modo de ‘se curar’.

PASSO III

O PERIGO DA FORMA

O Universo só precisa a Ordem do ‘Qué’, não do ‘Como’, e meus afetos não podem estar divididos ao respeito do que eu sinto

EXPLICAÇÃO: Como posso fazer isso?

Quando se toma conta de que o Universo tem obedecido sempre, uma por uma, todas nossas Ordens, e o que faltava era, simplesmente, Alguem que o advertisse... toda a história pessoal será atravessada com questões que, vertiginosamente, vão fazer nascer uma primeira Pergunta, base de todas as outras: Quem dirigiu minha vida se não fui eu? O que é uma forma de se perguntar: Quem sou eu?

E paralelamente, no outro extremo do mesmo eixo: ao descobrir que sempre obtivemos aquilo que In’Boca’mos, começamos a Descobrir que desde sempre em nós funcionou um auténtico, eficaz, surpreendente e muito poderoso Mago. Um Mago que sempre obtém o que se lhe ordena... sem a mais mínima necesidade de que soubessemos A Forma de obté-lo

APLICAÇÃO:

Automáticamente, a primeira coisa que alguém se pergunta quando quer fazer algo que é um desafío é: “Como eu posso fazer isso?, com o qual... se caiu na armadillha: se começou pela Forma! Precissavamos dizer ao Universo a Forma, o Como realizar o que tinhamos InBocado quando isso Ordenado estava extraviado? De jeito nenhum; simplesmente demos a instrução de Que Coisa a fazer... e o Universo achou o Como, a Forma de fazé-lo. Então, cada vez que desejemos começar pelo Como, ou que ficamos parados por não ‘achar a Forma’ de fazé-lo.... estamos indo contra o Método do Universo.

E se nada tém a ver com o Como... o que é assunto? Novamente só alcança com Ouvir a pergunta para desocultar a resposta. ‘O que é o assunto’ e igual a: o assunto é o ‘qué’. Quando graças a ouvir o ‘Qué’ estou InBocando, me aseguro de que essa Ordem dada ao Universo Ordenou o caos. Então simplesmente chegou o momento de entrar em ação, agora tenho que me Dirigir até Isso... sem necesidade de saber como fazé-lo!

O único Como que é importante para o Mago não está fora senão dentro. Como ele se Sente em relação à coisa que InBoca.

Para que o Universo se Mova para me trazer o que lhe ordeno preciso que a Ordem não esteja dividida no que respeita a ideia, e que meus Afetos não estejam divididos no que respeita ao que Ordeno. Isso é o que aporta o Passo III. Me libera de ter que encontrar A Forma de fazé-lo e coloca toda a lente na Forma em que eu me sinto. Se meus Afetos estão Divididos (insegurança, culpa, vergonha ou qualquer outra Emoção que não esteja Alinhada com meu Resultado), meu Universo dividirá seu Movimento.

O Universo só precisa que se lhe dé a Ordem do Qué... e que isso seja polarizado Dirigíndome continua e inegociavelmente até isso, sentindo que é indefectível a sua Realização. Então... acontecerá. Como? Simplesmente, por aquele Fator de que todas as Iniciaçðes, Culturas e Ensinamentos da história da humanidade tiveram e têm que se ocupar: por ‘Casualidade’. Enquanto apareça o Por Onde, a Forma, o Como... Isso será visto como um Fato de Sorte. O Fator ‘Sorte’... Oculto no Anel (N.T.: Aquí o autor faz um jogo de palavras em espanhol entre ‘Suerte’ (sorte) e ‘Sortija’ (anel) ) com a qual Os Iniciados se identificavam, já que o Iniciado é quem Ordena à Sorte.

 

PASSO IV

O Oráculo da Coisa

As sinais da Coisa que começam a ‘se materializar’ nos orientam como verdadeiros Farois em nosso Percurso. Esa mesma Coisa está Apontando, no externo, para o interno

EXPLICAÇÃO: Estou indo até a Coisa?

Se não nos justificamos para deter-nos na escuridão por não conhecer A Forma de seguir avançando... estamos agora na alvorada do Amanhecer; e a Coisa que queremos começará portanto a se fazer visível. Estar advertidos que a Coisa se apresentará por pura Casualidade... é literalmente estar atentos ao mundo e a cada questão que o mundo nos coloca pela frente. Clara e cintilantemente, o cotidiano se transforma então na aventura mais vibrante quando chegamos a este Passo em que sabemos que tudo o que acontece em todo o dia (inclusive muito especialmente durante a noite, nos Sonhos) pode estar Entramado com a Coisa à qual nos dirigimos.

APLICAÇÃO:

Chegado este Passo, dia a dia aprendemos a reconhecer, com maior facilidade e imediatez, as sementes do que InBocamos na coisa que se nos apresenta... e portanto... no mesmo ato e ao mesmo tempo, aprendemos a reconhecer se o que InBocamos é a coisa que queremos... ou se, pelo contrario, fomos enganados com a Ideia de que nos dirigimos a Isso enquanto a realidade aonde estamos indo é até outra Coisa.

Tanto se a Coisa deu Sinais de desvio (por exemplo: Escolhi o anúncio errado enquanto procuro trabalho) como se a Coisa que apareceu da Sinais armónicos com o que eu quero mas se afasta quando tento concreta-la, então mais Magia é necessaria. Preciso Escutar... porque a mesma InBocação que Casualiza o avance Casualiza a detenção. Escutando-a desocultarei então, talvez, que a Ordem que estou dando ao Universo... comete um erro de não ubicar o lapso de realização da Coisa que eu quero. “Conseguir trabalho” ordena só isso. E o Universo estará cumprindo perfeita e ‘ordenadamente’ minha Palavra, consiga esse trabalho agora... ou dentro de dez anos!

Os Sinais da Coisa que começam a se ‘materializar’ nos orientam como verdadeiros Farois em nosso Percurso, e vão nos revelar que a Viagem que estamos iniciando não é só até um Resultado.. senão até uma Nova Vida num Novo Universo. Essa mesma Coisa está Apontando, no externo, até o interno..., que é Desde Onde se originam esses Passos. Mais assim como no externo estes Sinais nos mostram chaves que estão condicionando o Resultado em particular que agora queremos atingir, as chaves Ocultas que o mundo interno essa mesma Coisa Sinala... condicionam não só este Resultado, senão toda a nossa vida. Quem hipotéticamente protagonizara o caso de ver que não concreta o trabalho que já aprendeu a “sair a procurar”, descobrirá que ao longo de sua vida, em todas as ‘ordens’, ‘isso’ mesmo trata de se instalar: dificultar em forma crescente, com cada passo que se tenta dar, ou concluir as Coisas, até que finalmente se acostumou a não Realizar a maioría das Coisas que abre.

Este Passo está nos ensinando então um dos Truques que mais aprenderemos a tomar como Aliado no Caminho da Magia: Ler o externo refletindo o interno. Simetría que revoluciona toda nossa vida... ao disolver a ilusoria divisão entre o interno e o externo. Ler a Coisa externa como um Sinal do interno é a mesma função e dimensão que tem um Oráculo: as Cartas, Hastes de Milenrama ou Pedrinhas... são Sinais que develam aspectos de mim mesmo que estavam ocultos e que estão decidindo meu futuro e condicionando meu destino.

.............................................................................................................................................................................................

ARRANQUE BIFÁSICO E A ESFINGE 

Chegamos ao momento central e decisivo no Caminho da Magia. De quanto se tenha respeitado os primeiros Quatro Passos vai depender a qualidade, precisão e potência da Magia que aconteça. Mais a toda ação se opõe uma reação. Então, quanto maior seja o impulso atingido, maior será inevitavelmente,, ‘algo’ que se apresentará tentando anular o resultado para restabelecer o equilibrio. Esse ‘algo’... é a Mitológica e Milenária Esfinge. Do mesmo jeito que, mitológicamente, este Personagem se compõe de um ‘collage’ de todas as figuras temidas de cada cultura onde aparecia, A Estinge que aparece no Caminho do Mago será um compêndio de tudo ‘isso’ que ele teme, que fez cair ele em armadilhas, tem voltado ele mais medroso e inseguro, e que conseguiu enfraquecê-lo. Toda a diversidade de Esfinges temidas nos mitos se condensam nos mesmos três disfarces. Conhece-los é então conhecer... a Lógica da Esfinge.  

Quando se leva a cabo o Arranque Bifásico se aprende Algo decisivo para quem quer se constituir num Mago: Se minha mudança de posição de onde enfrentava o Percurso me permitiu deixar para trás o que parecía que podia me deter... então nunca , jamais, o obstáculo que tem o poder de me deter ou desviar vem desde fora. Se eu me detenho perante ‘isso’ é porque desde ‘dentro’ estou ‘Ordenando’ meu Universo para que esse obstáculo se apresente como irresolúvel.

Tomar consciência desta realidade é tomar consciência de um dos três disfarces dos que se vale A Esfinge: Se eu já sei que nada desde fora pode me deter... cada vez que me permito orientar um combate para fora estaria caindo nas garras de um desvio.

Claro que se a Esfinge não pode deter ao Mago, então este não cai na armadilha de acreditar que o obstáculo está fora, mais o Mago ainda não vê Sinais da Coisa, que aproximam ele ao Resultado... é lógico então que a Esfinge tentará convencê-lo que se ainda não atingiu aquilo desejado é porque não é o momento de atingi-lo, e portanto, só resta aguardar. Se o combate para fora tenta deter por uma via agresiva e ativa, a armadilha da espera tenta a mesma coisa mais pela via passiva: se tenho que esperar a que a Coisa chegue... Isso está fora.

E quando o mago acessa a uma Realidade onde aprendeu profundamente que nem o obstáculo está fora, nem a chegada do que ele quer está fora mais mesmo assim não atingiu Isso... a Esfinge pode ainda utilizar mais um recurso: convencê-lo que se então, faça o que fizer ainda não atingiu aquilo que ele quer, Isso não é para ele e está justificado para não mais se dirigir até Isso.

Seja Cristo no Deserto, Buda embaixo da Árvore da Sabedoría, ou cada Iniciado de cada cultura e de cada mito da história da humanidade, todos eles mostram que se não pararam perante os seus três disfarces, sairam tão fortalecidos de cada Combate... que já nada conseguiu separá-los da mais íntima convicção de que o Poder Do Universo está em Cada Um que jamais aceita colocar o Poder lá fora.

.............................................................................................................................................................................................

PASSO V

A Magia do Combate

Não nos conformar com as pequenas ilhas (Sinais da Coisa) que se nos apresentam no Percurso até o Resultado que decidimos... e que parecem paradisiacas

EXPLICAÇÃO: Avanço?

Tudo o que graças à Esfinge conseguimos aprender, nos permite estar advertidos e ver com claridade o que fazer mesmo assim se a Coisa dá Sinais não harmônicos como se não há Sinais da Coisa. Em ambos os casos, sabemos que se não estamos mais perto daquilo que queremos é porque simples e concretamente estamos indo para outro lugar, e o Universo polariza até o que InBocamos com nossa Palavra, não até onde temos a Ideia de que estamos dirigindo aquele Universo. E se chegamos até aqui, sabemos já também que é a Escuta a que nos possibilita desocultar o desvío e redirecionar nossos passos.

Mais conjuntamente sabemos também, Algo muito mais valioso ainda: todo o que desocultemos do nosso desvio é para Continuar Avançando até o nosso Resultado. Não tem outra decisão possível para Quem Se Dirige à Magia. E tal Combate interno até a única Decisão possível para o Mago... também deverá acontecer ainda quando os primeiros Sinais da Coisa apareçam e sejam perfeitamente harmônicos con aquilo que eu quero.

APLICAÇÃO:

Se eu queria conseguir trabalho e o que consegui ainda não é aquele trabalho que eu quero, más que me da a tranqüilidade de estar empregado e ter um salário seguro a final de mês... estou perante uma situação que significa um sério compromisso com minha Ética. Na verdade, para chegar até esta situação na qual devo tomar uma Decisão muito séria, tive já (muito possivelmente sem notá-lo) que tomar outras duas decisões.

A primeira foi  quando ao ler que ainda não haviam Sinais da Coisa igualmente decidi avançar.

A segunda foi quando decidi se tal Sinal é harmônico ou não com o que eu quero, o qual exige uma inegociável Ética de não me autoenganar para comigo mesmo.

Mais a terceira é a que me forçará a um grau de exigência superior, cujas conseqüencias não vão recair única e específicamente em atingir ou não o Resultado que me interessa... senão que vão me deixar numa posição ante mim da qual vai depender tudo, absolutamente tudo na minha Vida.

Todas as Esfinges se encarnam em nosso meio quando estamos ante este Passo: argumentos sumamente ‘lógicos’, sentido comúm, medos, ameaças, raivas. Como que estamos ante um Momento em que Tudo em Nossas Vidas está em jogo... Tudo vale para a Esfinge.

O que verdadeira e profundamente neste Passo está em jogo... é se nosso Desejo por chegar ao Destino que procuramos tem tal Magnitude como para não nos conformar com pequenas ilhas (Sinais da Coisa) que se apresentam no Percurso até Isso... e que parecem paradisíacas comparadas com a perspectiva de continuar navegando a Océano aberto.

Finalmente, se o Destino até o qual avanço é de me constituir como Mago... o que aquí está a prova é se eu sou tão Confiável como para que o Universo realize Verdadeira Magia por Mim. Deve-se aprender a não negociar o inegociável. Exatamente Isso é o que Ensina este Passo. E o que não se pode negociar é que Sua Resposta, aconteça o que acontecer e não aconteça o que não acontecer... é Continuar Avançando até aquilo que se Deseja.

PASO VI

A Magia da Energia

Um Estado de Alerta expande nossa consciência e o Universo começa a se Desocultar para nós. Neste Passo, O Mago aprende os Segredos das Técnicas Energéticas mais Poderosas

EXPLICAÇÃO: Que acontece com minha energia?

O Psíquico dirige ao Energético e o Energético dirige ao Físico. Esta é a ordem de Inter-determinação dos três Planos, talqual é Ensinado no Paradigma da Magia: Desde o mais Sutil até o mais Denso. Por isso é infinitamente mais eficaz trabalhar desde o Sutil, porque é Isso o que vai mover todo o Denso.

A energia movimenta ao Físico, mais esta Energia está dirigida Desde um lugar mais Sutil ainda, que deseja, decide e Ordena: ‘Isso’ é o Psiquico. E dentro desse Sutil campo do Psíquico, o mais Sutil do mais Sutil é a Palavra. Isso é o Mais Sutil de onde pode mover-se o Universo. O qual inclui... aprender a movimentar Nossa Energia. Por Isso, Neste Passo, O Mago aprende os Segredos das Técnicas Energéticas mais Poderosas do Planeta. Aquelas que Os Guardiães da Sabedoría utilizaram no seu meio e sob se mesmos para, precisamente, manter e acrescentar Aquela Sabedoría através dos milênios.

APLICAÇÃO:

Evidentemente transcende por completo as posibilidades de um meio como este tentar desenvolver tais Técnicas Secretas, que os Mestres só Ensinam com o Mais Profundo Cuidado e com o mais riguroso Critério de Seleção. Por isso é preciso aclarar e lembrar muito explícitamente duas questões: em primeiro lugar que, de qualquer jeito, a Energia é uma Etapa Secundária, que só serve para Amplificar e Acelerar o que se Ordena desde o Psíquico. E imediatamente: A Energia Dinamiza o que colocamos desde o Psíquico. E da dinamização da Energía (não do seu uso) sim que podemos falar aqui.

Para ver o fator com o qual dinamizar a Energia que dinamizará nosso Universo é só necessario ver com olhos de Mago a Vida Cotidiana. Alguém se encontra sem forças, absolutamente deprimido porque não encontra o que quer na vida. De repente, o milagre sucede, o telefone toca e avisam-lhe que o emprego tem sido concedido.(por exemplo). Salta da cama, corre pela casa, se apressa a tomar um baho e liga para todos para contar a noticia. A Explosão de Energia é evidente. Mais... o que mudou no denso, no Físico? Nada, absolutamente nada: ainda nao recebeu seu primeiro salário. Más...., Sua Energia imediatamente se tornou radiante. Por que? Simples e concretamente porque algo mudou no Seu Psiquismo. O Psíquico Dirigiu ao Energético, que a sua vez dirigiu ao Físico. Exatamente essa memsma explosão de Energia é o que acontece com quem chega a este Passo no Seu Caminho de Magia. Pois junto com o que cada trecho tem revelado, tomou consciência de Algo a mais: estamos nos descobrindo em contato com um Entramado Universal que conecta tudo e nos conecta com Tudo. Um Estado de Alerta expande nossa consciência, fazendo-nos atender questões da vida diária que antes passavamos de largo (quer dizer, que nos ficavam ocultas) e portanto, o Universo começa a se Desocultar para nós... e Isso... ativa nossa Energía e nos enche de Brilho cada vez que lembramos disso.

PASSO VII

A Magia da Casualidade

A Magia produzida vai trazer por Casualidade ‘Algo’ que nos aproxime e impulse muito mais poderosamente ao Resultado que queremos. Esse ‘Algo’ pode ser um Sistema de Magia.

EXPLICAÇÃO: Tenho Magia Suficiente?

Começa a se experimentar uma materialização e um crescimento incomparável através de mais e mais Casualidades. Chegado este Paso, a Magia produzida vai trazer por Casualidade ‘Algo’ (não só Sinais e Vias) que nos aproxime e impulse muito mais poderosamente até o Resultado que queremos.

E conjuntamente às Casualidades, se esta Magia que o Mago já consegue realizar não é suficiente ainda para, nos Passos que faltam Percorrer, conseguir o Resultado que Ordena... o Universo também vai lhe enviar (desde logo, por meio de Sua Aliada, a Casualidade) o Sistema que seja necessário para Isto. Um Sistema é uma potenciação que vai aparecer, se for necessário, pelo nível do Resultado requerido, aumentando o Poder e a Eficácia da Magia. Tal Sistema poder se apresentar neste Passo ou bem no Passo IX; pois as vezes na última fase previa à chegada é quando se precisam os máximos reforços.

APLICAÇÃO:

I Ching, Kybalión, Pirámides, Feng Shui, Kabalah, Astrologia, Numerologia, Dança, Incensos, Wu Wei, Tantra, Artes Marciais, Ioga... e uma lista longa de etcéteras... Todos são Sistemas de Magia, cada um mostrando tudo Seu Poder em alguma área. Sistemas que ao mesmo tempo podem ser uma grande ajuda quando se está em condições de usá-los... constituem um verdadeiro caos se desde eles se pretende acessar ao Uso das Forças Ocultas do Universo, pois sem um Método, todas essas possibilidades rápidamente se transformam numa perda que nos terá durante anos saltando entre elas como esnobes da ‘new age’ de turno.

Porque do mesmo jeito que seria ridículo acreditar que um CD com os dados precisos das constelações astrológicas pode funcionar e por acaso servir para algo sem o Computador... igualmente ridículo é tentar usar os Sistemas de Magia sem Seu Método. Sem um ‘Ordenador’ que nos oriente entre tudo ‘isso’, o que se obtêm é um extravio progressivo que (como máximo e no ‘melhor’ dos casos) produz especialistas em estudar os galhos de uma Árvore... os quais jámais sabem que a Árvore existe. Cada um dos Sistemas dos quais se vale a Magia não nasceu para ser um fim em si mesmo..., senão para fazer Magia. Por Isso, se não me deixo atrapalhar pelos cantos da sereia e continuo a me dirigir até o Resultado, o Mago crescerá e desenvolverá  ‘sistemática’ e ‘metódicamente’ cada vez maiores e mais potentes recursos de Magia. Assim, quando o Mago mais Percorre e mais elevado é o que ele quer alcançar, mais o Universo se desoculta e mais Magia está a sua disposição..., chegando a níveis aos quais o Sistema que precise já nem sequer poderá ser ‘aprendido’ senão que tão só pedirá ser desenvolvido: estamos nos referindo aos Potenciais que até esse momento estavam ocultos. Telepatía, Clarividência, Viagem Astral, Estados Expandidos de Consciência, Sonhos Lúcidos e qualquer outro Sistema de Potenciais que o meu Psiquismo precise para alcançar o que lhe Ordeno a meu Universo se fazem então presentes, realizando-se com espotaneidade.

PASSO VIII

A Magia da NEGOCIAÇÃO

É no entramado diário onde vou entrelaçar, defender e expandir o que obtive através do entramado Universal.

EXPLICAÇÃO: O que é que eu faço com o que os outros querem?

Não faz sentido ir InBocar nos confins do Universo ó necessário para um Resultado enquanto se ignora o que todos os dias me pode levar a Isso. É no entramado diário onde vou entrelaçar, aproveitar, defender e ampliar o que obtive através do entramado Universal. Verdadeiro Desafío, pois no cotidiano é onde se resigna dramáticamente o Brillho antes de aventurar-nos na aplicação do Método do Mago às Negociaçðes... Algo literalmente fundamental se deve ter em conta: uma Quádruple Premisa Ética que jamais se deve ignorar numa Negociação, pois em caso de fazê-lo se retardaria toda possibilidade de Magia.

Em Primeiro Lugar, é decisivo lembrar que jámais se pretende mudar ao Outro. Esse respeito ao Outro não vai ser mais do que o reflexo para fora de um respeito muito mais profundo ainda. O Respeito por Mim Mesmo e pelo que eu quero alcançar.

A Segunda Premisa Ética: Aconteça  que acontecer, se ‘ganhe’ ou se ‘perca’ a Negociação, vou continuar a me dirigir ao Resultado que quero... Isso é inegociável.

A Terceira Premisa Ética é que jamais meu Resultado depende do que tenho em frente na Negociação. Por muito poderoso que pareça, por muito condicionante que ache que seja para o que eu quero alcançar... A Magia pode mais.

A Quarta Premisa Ética é: mentir é um método ruim. Estar disposto a mentir é a demostração de que ‘agradar’ ao Outro passou a ser mais importante que aquilo que eu ofereço... e que é a mim mesmo. E, em tais condições, tanto meu produto quanto eu passamos a ser descartáveis.

APLICAÇÃO:

Quando duas pessoas ‘interatuam’ numa negociação ao redor de uma Coisa, tem um caos de Ideias que se desenvolvem, respeito as quais as duas partes só conseguem fazer alguma Imagem... e portanto vai dirigir a Negociaçao quem possa Ouvir essa Ideia que, oculta por trás dessa Imagem, revela qual é na realidade a Coisa que se quer alcançar.

Um exemplo: Alguém vai a uma entrevista respondendo a uma demanda de pessoas para cuidar das crianças de um lar. Com a Escuta, é detectado por exemplo que a mãe dos meninos a cuidar se sente desvalorizada e a ideia oculta por trás da Coisa que se imagina que procura... é que espera algum reconhecimento por parte do marido. Desocultado ‘isso’... já tenho ubicado Por Onde dirigir minhas Palavras. Quem utilize palavras tais como “os donos de casa, nos lugares onde trabalho, sempre estão muito contentes comigo” será desqualificado imediatamente. Más quem, em vez, com frases que (sem mentir) apontem a ressaltar os serviços que oferece com fatores tais como “os maridos das pessoas que me contratam sempre as felicitam pela eleição que fizeram”..., terá todo o Universo da seleção polarizado e Casualizado do seu lado.

Se o que digo para oferecer meu produto é limitado às ideias que me vêm à mente, vou obter um Universo de caos. Entanto se apoio na Escuta as Palavras com as quais faço meu oferecimento e com o Escutado valorizo e recubro meu Fator Diferencial (o que ofereço de diferente), ‘Ordeno’ um universo harmônico.

Se este passo é Chave... é porque, depois da Negociação, O interno e O Interpessoal incrementaram definitivamente sua convergência e se Polarizaram até o que desejamos. Isto significa estar no limiar de Atingir a Grande Realização.

PASO IX

A Magia de REALIZAR

Um a um, os obstáculos que devimos enfrentar e vencer se apresentarão de novo, e nas áreas insuspeitadas da nossa vida. O Desafio é conseguir não atendê-los.

EXPLICAÇÃO: Estou em condições de alcançar Isso que tanto Desejo?

Temos antes nossa vista o trecho final do Caminho que nos conduz a Nosso Resultado. Então... é tempo de um Exame Final. Exatamente igual que quando estamos perto de passar de ano no sistema escolar, devemos pôr a prova o que aprendimos em tudo o Percurso . Só assim poderemos Estar à altura da Grande Realização.

APLICAÇÃO:

Todo o Percurso nos Ensinou Segredos do Universo que estavam absolutamente Ocultos. E se chegamos até aqui é porque muitos obstáculos tem sido ‘atravessados’. Se aprendimos a atravessar tantos obstáculos que antes teriam nos detido ou desviado... não teremos inconvenientes então em trová-los todos e cada um deles novamente. E não deter-nos ou desviar-nos... senão simplesmente continuar avançando será nossa confirmação de que quando ‘isso’ se apresenta, já não tem poder sobre nós. Por isso, neste Passo, todas as Esfinges sairão a nosso encontro novamente. Um por um, os obstáculos que devimos enfrentar e vencer se apresentarão novamente... mais agora, a grande diferença é que o Desafío é conseguir não atendê-los.

Se temos a ideia de estar seguros que já os vencemos, mais quando aparecem outra vez temos que apresentar combate..., então não estamos tão seguros, e portanto não é tão claro que os tenhamos vencido. Deveremos, neste caso saltar fora uma e outra vez contra ‘isso’..., até nos liberar de enfrentá-los. Mas se quando se apresenta esse mesmo obstáculo que só uns Passos atrás nos dominava, desviava ou detinha, agora simplesmente continuamos a caminhar...então sim foi vencido, porque nos liberamos disso.

Perto do topo é onde mais distrações, deserções, contratempos e acidentes se produzem. Por qué? Pelo mesmo motivo que constitui o risco mais perigoso deste Passo: O que já tinhamos enfrentado e vencido ao dirigir-nos a nossa ‘Terra Prometida’ não va aparecer precisamente na imagem do que conhecemos, nem associado diretamente a sua Forma respeito a isso que queremos alcanzar..., senão que se apresentará em qualquer outra Forma e, especialmente em qualquer outra área de nossa vida e não onde esperavamos ele. E muito provavelmente onde menos o esperavamos, onde menos teriamos suposto e onde não gostariamos de encontrá-lo. O examinado é se temos filtrado realmente em nossas vidas esse obstáculo, não se só podemos deter-nos ante ‘isso’ segundo a área onde se apresente.

PASSO X

A Magia da MAGIA

Três perguntas vão nos permitir custodiar o que va ingressar e o que não vamos permitir que ingresse na Terra Nova à que chegamos. Também deveremos Celebrar a Conquista.

EXPLICAÇÃO: O que eu fiz para chegar?

A Viagem chega a seu Destino. As Forças me Ajudaram. Agora o Universo sabe que pode Contar Comigo. Ética e inegociavelmente Faço o que eu Digo, e nada consegue me desviar Disso. Então as Forças Universais podem ter em conta o que eu digo que vou fazer... e... me assistir para atingi-lo. A viagem chega a seu Destino mais não a seu Fim. Chegar à Terra Prometida não é sinônimo de tê-la Conquistado.

Quando a Viagem finalmente chegou a seu Destino..., o Passo X recém Começa. Desembarcar no Porto que parecia impossível de alcançar... mais ser vencidos ou rejeitados enquanto damos uns poucos passos na Nova Terra transformaria em inútil ter chegado até aí.

APLICAÇÃO:

Sobram os exemplos de pessoas que no topo da sua grande conquista de repente ficam doentes, tem um acidente, caem trágicamente em vícios ou simplesmente erram nas suas decisões súbitamente, no qual se traduz na perda total de todo o alcançado. O que deu errado? Bem, chegamos ao Destino graças ao que se conseguiu filtrar. E que acontece com todo o que não foi filtrado?

Tudo ‘isso’ que ficou como um sedimento impuro, agora lógicamente vai tentar se instalar no novo Lugar ao qual chegamos.

É Quem chegou a esse Novo Lugar é quem se deve transformar no custodio que fecha o passo e impede avançar a ‘isso’ que, de ingressar, ia se instalar no pior do ciclo anterior e ia transformar em inútil a Viagem realizada.

O que fazer? Para isso o Passo X aporta Seu Truque, que vai ser Chave: Jamais se deve supor a chegada ao Destino como o capítulo final que conclui a Obra... senão como o primeiro capítulo da Obra Seguinte.

O I Ching tem uma proposta para esta situação: “Meditar para se antecipar à Desgraça”. Meditar mais... em qué? Exactamente Isso é o que Ensina O Método Da Magia neste Passo. Porque deveremos Escutar-nos Responder as Três Perguntas que vão nos permitir Custodiar o que va entrar e o que não vamos permitir entrar na Terra Nova aonde chegamos.

Primeira Pergunta: Desde onde o Conseguimos?

O que conseguimos efetivamente filtrar ‘disso’ que, graças à Viagem realizada, descobrimos que deviamos filtrar? Escutar Isso e nos asegurar de que continue fora ‘isso’ que já filtramos, é o que vai permitir que eu More na Terra Nova e que, independetemente do tempo que passe, continue a ser ‘Nova’.

Segunda Pergunta: Desde onde não o Conseguimos?

O que deveriamos ter filtrado na Viagem que ainda não filtramos? Nos momentos onde o risco era sério: fuimos nós mesmos que resolvemos as coisas ou tal vez dependemos da Casualidade ou de algúm Companheiro da Viagem que resolveu as coisas por nós uma e outra vez? Tudo ‘isso’ que já foi detectado que devería ter sido filtrado e ainda não se filtrou deve ser imediatamente expulso da Terra Nova. E Para Isso... devemos fazer ‘Excursões’ neste mesmo Território Novo: É inegociável nos impor Desafios cujo único objetivo é de nos assegurar que podemos Resolver ‘isso’ que deixamos sem Resolver.

Terceira Pergunta... e talvez a mais excitante: Que mudou da Minha Realidade para Conseguir Esta Nova Realidade?

Está tudo isso que, desde a terra anterior e durante toda a Viagem, semelhava ser normal, positivo e defendível em nós mesmos...; tudo ‘isso’ que nem suspeitavamos que deveriamos filtrar em nós, até que esta Nova Terra nos começou a mostrar.

E como agora A Festa é cotidiana... vamos estar, quase sem percebê-lo, perante O Ensinamento Final e Fundamental deste Passo, que deve ser tido em conta com a maior seriedade, e que de não ser considerado, ameaçará imediatamente a Conquista Alcançada e nossa permanência no Método. Desde onde alcançamos? É essêncial, inegociável, urgente e vital… Aprender a Celebrar a Conquista! Todas as Culturas Iniciáticas mostram isto com total nitidez. As datas dedicadas aos Rituais de Celebração, Desfrute e Agradecimento são tão importantes e inevitáveis como as que anteriormente foram dedicadas às Ofertas, Pedidos, Trabalhos e InBocaçðes. Celebrar para Recuperar forças, e para InBocar Novas Forças com as quais empreender o que Por Se Mesmo O Mago apreendeu, é o mais Magnífico que pode fazer em e com Sua Vida: Sua próxima Viagem Iniciática... pelo Mapa Da Magia.

José Luis Parise é um pesquisador, escritor e psicoanalista argentino, autor do livro ‘O outro Caminho’ (entre outros). Criou a Primeira Escola EDIPO em Latinoamérica, onde se integram os temas iniciáticos com o psicoanálise.

Contato: escuela@edipo.org 

* O uso de letras maísculas corresponde ao estilo do autor